terça-feira, 27 de setembro de 2011

Arqueólogo

.
.
.
Continuo a procura do ouro perdido. Ao escavar, encontro mais uma múmia que muito se parece comigo. Eis que procuramos algo e encontramos outro. Do verbo procurar ao encontrar, uma grande jornada onde muitas vezes não se acha aquilo que se deseja. Eis o arqueólogo da vida, um poeta solitário reescrevendo páginas pra se encontrar no mundo. No fim, continuo sendo um soldado caminhando em suas dúvidas e certezas com armaduras e canhões.
.
.
.



Rogério Saraiva

Um comentário:

Cristine Bartchewsky disse...

"Eis o arqueólogo da vida, um poeta solitário reescrevendo páginas pra se encontrar no mundo."

Falou e disse! =D